Pesquisa mundial sobre HIV terá participação do Brasil

A+ A- Assine a Newsletter Facebook Twitter

O Projeto Start cujo objetivo é descobrir o melhor momento para começar o tratamento com drogas antirretrovirais, terá 7 centros participantes no Brasil. A indicação para o início da terapia anti-HIV é feita quando o CD4 (células de defesa no sangue) está abaixo de 350 células por milímetro cúbico. Valores acima destes são considerados normais, atualmente os médicos não recomendam tratamento nesta faixa, pois os medicamentos podem trazer efeitos colaterais.

“O paciente, quando não está tratando o HIV, convive com um processo de atividade inflamatória. E foi se descobrindo que essa inflamação é deletéria. Conviver com o vírus com atividade inflamatória leva a danos teciduais no pulmão, no cérebro, por exemplo. O que se tem agora em evidência é que viver com o vírus HIV pode estar associado a um envelhecimento precoce”, afirma o médico Luiz Carlos Pereira Junior, coordenador da pesquisa no Brasil.

“De acordo com Pereira, a pesquisa pretende encontrar o melhor momento para iniciar o tratamento, nem cedo demais, quando o paciente pode sofrer com os efeitos colaterais dos medicamentos, nem tarde demais, quando a atividade inflamatória do vírus pode prejudicar algum órgão. Serão dois grupos de pacientes. Metade farão o tratamento como é executado hoje, com a imunidade baixa. A outra metade tratará o vírus com a imunidade normal.”

Irão participar 226 centros de pesquisa de 35 países, sendo sete no Brasil, coordenados pelo Instituo Emílio Ribas, em São Paulo, e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Interessados em participar devem ter o diagnóstico do HIV, e imunidade normal. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3085-7059 do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo.

Fonte

Empresa Brasil de Comunição

Obs.: A rede NUTRItodos divulga e apoio campanhas de utilidade pública!

0
Como você avalia este conteúdo?
VN:F [1.9.13_1145]
Rating: 0.0/5 (0 votos)
Avaliação deste conteúdo:

Um comentário para “Pesquisa mundial sobre HIV terá participação do Brasil”

  1. fabiana silva barreto disse:

    Bom termos os nossos pesquisadores reconhecidos,quem sabe assim se faça uma real campanha que alcance a todos desde crianças até os idosos!

Deixe seu comentário