Carta para Ministro da Saúde sobre parceria estranha

A+ A- Assine a Newsletter Facebook Twitter

 

Siga-me no Twitter

Ao Exmo.
Senhor
Ministro de Estado da Saúde
Alexandre Rocha Santos Padilha

São Paulo, 30 de maio de 2010.
Prezado Senhor Ministro Alexandre Padilha,

As redes e organizações da sociedade civil e instituições de pesquisa que compõem a
Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos1 vem manifestar nossa indignação com a
vinculação entre as marcas, programas e imagem do Ministério da Saúde do Brasil com a marca,
produtos e campanhas publicitárias da empresa McDonald´s.

Não se justifica, em hipótese alguma, o Ministério da Saúde associar sua imagem a de
empresas como Mc Donald´s atribuindo-lhes o título de “Parceiro da Saúde”, uma vez que a sua
principal atividade é a comercialização de alimentos que, em sua grande maioria, fazem muito
mal à saúde.

Dados das Pesquisas de Orçamentos Familiares, realizadas periodicamente no Brasil
pelo IBGE, indicam a crescente substituição de alimentos tradicionais e saudáveis da dieta
brasileira, como a mistura arroz e feijão, por bebidas e alimentos ultra processados,
densamente calóricos e com baixa concentração de nutrientes. Essa substituição é
extremamente prejudicial à saúde da população e coloca em risco os avanços obtidos pela
Saúde Pública brasileira nas últimas décadas. O crescimento vertiginoso da obesidade no país
talvez seja a expressão mais dramática das conseqüências do crescimento do consumo de
alimentos ultra processados, dentre os quais estão os hambúrgueres, batata frita, refrigerantes
oferecidos e promovidos pela rede McDonald’s. Na mais recente pesquisa nacional, realizada
em 2008-2009, o IBGE constatou que apresentavam peso excessivo metade dos adultos
brasileiros, um em cada cinco adolescentes e uma em cada três crianças de 5 a 9 anos.

Impulsionadas pela pressão de empresas como o McDonald’s, essas transformações nos
padrões alimentares e no estado nutricional de milhões de brasileiros e cidadãos de todo o
mundo requerem respostas inadiáveis e corajosas por parte dos governantes de modo a deter o
avanço explosivo nas mortes e no adoecimento da população pelas doenças crônicas nãotransmissíveis
intimamente relacionadas à alimentação.

É necessário cuidado especial com as nossas crianças que devem crescer em um
ambiente que favoreça seu máximo potencial de desenvolvimento, o que inclui a garantia da
proteção contra os produtos comercializados e práticas de marketing empregadas por empresas
como o McDonald’s. Os alimentos comercializados por essa empresa são na sua grande maioria
contra indicados para o consumo frequente, principalmente por crianças e adolescentes que
acumulam riscos ao longo de suas vidas até apresentarem doenças crônicas precocemente.
Quando o Ministro da Saúde aparece na grande imprensa ao lado da empresa, promove
confusão, deseduca a população.

A atual geração de crianças estadunidenses talvez seja a primeira, na história dos EUA, a
viver menos tempo do que seus próprios pais. Se o governo brasileiro não adotar medidas
rigorosas para ao menos frear o avanço da obesidade entre a população, de acordo com
pesquisas conduzidas por este Ministério, em aproximadamente 12 anos o Brasil estará neste
mesmo patamar. Isto implica não só uma maior sobrecarga nos agravos que provocam mortes e
sofrimento de milhões de brasileiros, mas numa sobrecarga colossal sobre o sistema de saúde
que até mesmo em países ricos comprometeria a economia e seu desenvolvimento.

Quando o Ministro da Saúde aparece na grande imprensa como parceira de empresas
como o Mcdonalds está na prática veiculando mensagem para a população que contradiz a
promoção da alimentação saudável e de outras políticas do governo federal, tais como o
Programa de Aquisição de Alimentos e o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Esses
programas buscam valorizar o consumo de alimentos frescos, regionais e próprios de cada
bioma brasileiro. É óbvio que as empresas são as maiores beneficiadas pela “parceria”, uma vez
que se utilizam do título de “amiga da saúde” para passar uma mensagem positiva para os seus
consumidores, estimulando ainda mais o consumo dos produtos que comercializam.

Esperamos que o Ministro de Estado da Saúde compartilhe de nossa preocupação e
desvincule imediatamente as marcas, programas e imagem do Ministério da Saúde do Brasil da
marca, produtos e campanhas da empresa McDonald’s.

A população brasileira, em especial nossas crianças, contam com seu apoio para
proteger as políticas públicas da interferência de interesses comerciais centrados no lucro
proveniente de modos de consumo e produtos que comprometem o bem-estar, saúde e o
direito humano à alimentação do povo brasileiro.

Atenciosamente,
Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos

http://regulacaoalimentos.blogspot.com/

_________________________________________________________________________________________

1 A Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos é formada por 57 organizações e redes da sociedade civil e
instituições de ensino e pesquisa e tem como lutar para que o poder público estabeleça normas que regulem a
publicidade de alimentos, monitore o cumprimento dessas normas de modo a evitar prejuízo à saúde da população e puna severamente todos que as descumprirem. A lista dos membros da Frente pode ser acessada no seguinte
endereço: http://regulacaoalimentos.blogspot.com/

 

0
Como você avalia este conteúdo?
VN:F [1.9.13_1145]
Rating: 5.0/5 (1 votos)
Avaliação deste conteúdo:
Carta para Ministro da Saúde sobre parceria estranha, 5.0 out of 5 based on 1 rating

3 comentários para “Carta para Ministro da Saúde sobre parceria estranha”

  1. renda extra disse:

    gostei do site!

    bruninha lemos

    VA:F [1.9.13_1145]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  2. Julia Ramalho disse:

    Parece até piada! Desde quando o McDonald´s está preocupado com promoção da saúde? Eles estão preocupados com o título que o governo acabou de dar a eles para venderem ainda mais porcaria, principalmente para as crianças e adolescentes. Td bem, reduziu sódio e gordura? Então agora o McDonald´s produz alimentos saudáveis? NÃO, continuam sendo alimentos que devem ser consumidos apenas esporadicamente. O Ministério da Saúde deveria preocupar-se com a propaganda pesada que o McDonald´s faz em cima das crinças e não agregar um título que dê ainda mais força para eles.

    VA:F [1.9.13_1145]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  3. carlosalbertoborgesfreitas disse:

    exelentissimo senhor ministro da saude ,socorro por nossos jovens que estaõ se perdendo nas drogas o crak a coaina e outor entorpecentes tem destruido familias inteiras pelo brasil a fora pesso ao senhor construir clinicas de reabilitaçaõ para esses jovens que estaõ perdendo a vida ,um futuro que almejamos para nossos filhos da nossa patria da mae gentil esta acabando na maõ de viciados brasil acorda para essa epidemia se o senhor ministro naõ fazer algo urgente para esses jovens tratalos da dependencia quimica o nosso futuro do brasil estara´perdido eu emploro ao senhor ministro da saude a presidenta dilma façaõ algo urgente pelos nosos filhos .

    VA:F [1.9.13_1145]
    Rating: 0 (from 0 votes)

Deixe seu comentário