Você soluça ao comer carambola?

A+ A- Assine a Newsletter Facebook Twitter

A Carambola é originária da índia, possui vitamina C e do complexo B. Sabe-se que pacientes com insuficiência renal estão proibidos de comer carambola, pois a mesma possui uma toxina desconhecida que pode causar morte. Depois de pesquisa patrocinada pela FAPESP (Investimento: R$ 1.563.792,01 ), foi descoberta a toxina presente na carambola. Eles apelidaram ela de Caramboxina, em homenagem a fruta Carambola.

“Quando o fruto e/ou seu suco são consumidos por pacientes acometidos de insuficiência renal ou lesão aguda nos rins, ou por indivíduos diabéticos, a caramboxina pode induzir crises de soluços, vômito, confusão mental, agitação psicomotora, convulsões prolongadas (estado de mal epiléptico) e até a morte.”

De qualquer forma, a reportagem da FAPESP, alerta também para o cuidado com pacientes com diabetes. Por isso, se comer esta fruta e soluçar fique atento e consulte seu nutricionista.

“Para os pesquisadores, os resultados do estudo podem ajudar a criar ferramentas para estudos de processos de excitabilidade e neurodegeneração do sistema nervoso ou mesmo para a produção de eventuais substâncias chamadas antagonistas.”

 

REFERÊNCIA

Artigo
GARCIA-CAIRASCO, N. et al. Elucidating the Neurotoxicity of the Star Fruit.Angewandte Chemie. 2013

PARA SABER MAIS
Entrevista com Aline de Araújo Antunes sobre doença renal

0
Como você avalia este conteúdo?
VN:F [1.9.13_1145]
Rating: 5.0/5 (2 votos)
Avaliação deste conteúdo:
Você soluça ao comer carambola?, 5.0 out of 5 based on 2 ratings

4 comentários para “Você soluça ao comer carambola?”

  1. José Borges disse:

    Li certa vez que a carambola é muito prejudicial para os que tomam antidepressivos, podendo aprofundar a crise e aumentar as tendências suicidas.

  2. alexander disse:

    Olá José interessante esta informação você tem esta fonte para me indicar?

  3. Gabriel Cabral disse:

    E qual seria o antidoto para essa toxina?antídoto

  4. Gabriel Cabral disse:

    E qual seria o antidoto?

Deixe seu comentário