Entrevista com Nutricionista Adriana Ávila do INCOR sobre doenças cardiovasculares e alimentação

A+ A- Assine a Newsletter Facebook Twitter

Siga-me no Twitter

Graduada em Nutrição pela Faculdade de Ciências da Saúde São Camilo (1986)
Especialista em Nutrição Hospitalar em Cardiologia pelo InCor- HCFMUSP (1987-88)
Especialista em Nutrição em Cardiologia pela Socesp (1991)
Especialista em Distúrbios Metabólicos e Risco Cardiovascular pelo Centro de Extensão Universitária (2001/02)
Ex-nutricionista do InCor-HCFMUSP por 21 anos (1988-2009)
Atualmente sou nutricionista da Clínica de Emagrecimento e Estética Vitay, atuo em consultórios médicos (cardiologia, psiquiatria e psicologia) e faço atendimento domiciliar. A minha área de atuação é com obesidade, diabetes, hipertensão, dislipidemais, alimentação saudável e educação alimentar.

O InCor é um hospital público universitário de alta complexidade, especializado em cardiologia, pneumologia e cirurgias cardíaca e torácica. É reconhecido mundialmente como um grande centro de pesquisa e ensino. Atende 80% de pacientes SUS, sendo recordista em são Paulo em transplantes de coração e pulmão. Entrevistaremos hoje, nutricionista do INCOR Adriana Ávila

 

A doença que mais mata o brasileiro é a doença cardiovascular. Qual a importância da alimentação saudável para prevenir este problema?

Com uma alimentação saudável é possível prevenir os fatores de risco para a doença cardiovascular, quais sejam: diabetes, pressão alta, obesidade e dislipidemia (aumento do colesterol e/ou do triglicérides no sangue). Por isso é necessário ter moderação na utilização de sal, gorduras e açúcares e estimular a população a utilizar diariamente as verduras, os legumes, frutas, carnes magras, leite e substitutos magros, além da dupla infalível arroz e feijão.

 

…como convencer o paciente a comer menos sal, depois de uma vida toda desrregrada?

O ponto de partida é a orientação de que não devemos comer sal em excesso e que devemos evitar o uso de saleiro à mesa. Para realçar o sabor característico de cada alimento podem ser usados os temperos naturais (salsinha, cebolinha, coentro, alho, cebola etc). Também podemos adaptar receitas usando os alimentos naturais ao invés de industrializados que sejam ricos em sódio/sal.

 

Comente para nós algum caso clínico interessante que tenha vivido?

Quando eu era criança e, nem imaginava que um dia seria nutricionista, escutava a minha finada avó (que Deus a tenha) que era hipertensa, reclamando com a minha mãe (que desde àquela época já era uma nutricionista empírica) de que o organismo dela não se “dava” com comida fraca (leia-se comer com pouco sal). Hoje sou nutricionista e vejo a minha mãe, também hipertensa, e que continua sendo uma nutricionista empírica, escondendo de mim os pacotes de salgadinhos que compra para comer enquanto assiste televisão. Mas, como ela é mãe de nutricionista, fica horas no supermercado para comprar os salgadinhos com menor teor de sódio, livre de gordura trans…, além de me manter atualizada de todos os lançamentos desse segmento do mercado.

A obesidade é uma doença multifatorial e de tratamento à longo prazo. Alguns pacientes que precisam perder peso, fazem dietas radicais para emagrecer e até mesmo o uso de shakes “milagrosos”. O que você diria a estes pacientes?

Só emagrece quem come, mas quem come de forma equilibrada, controlando as quantidades dos alimentos. Uma dieta para promover o emagrecimento deverá ser hipocalórica, ou seja, com calorias menores do que as que o obeso consome. Entretanto deverá conter todos os nutrientes necessários (vitaminas, minerais, carboidratos, proteínas, gorduras, fibras e água). Isso só será possível se a pessoa consumir diariamente verduras, legumes, cereais, massas, tubérculos, feijões, carnes magras, leite e substitutos. Dietas radicais e “shakes” podem promover o tão sonhado emagrecimento, porém não vão educar o indivíduo. Ninguém consegue ficar a vida toda fazendo uma dieta muito rígida ou só tomando “shake”. A pessoa tem que aprender a comer de forma balanceada para o resto da vida dela!

 

Alguns países estão substituindo o sal de cozinha por cloreto de potássio. O que você acha disto?

Na minha opinião esses sais dietéticos, à base de cloreto de potássio, podem ser usados desde que não em excesso. Eles não são indicados para pacientes com os níveis de potássio elevados no sangue, pois ao utilizar esses sais dietéticos aumentaria ainda mais esse nível de potássio do sangue que, quando acima do valor normal, pode provocar alteração no ritmo do batimento cardíaco. No caso de pacientes com Doença Renal Crônica o potássio não pode ser alto para não sobrecarregar ainda mais os rins que já não funcionam normalmente.

 

Como educar os pais para prevenir a obesidade infanto-juvenil?

A educação começa na hora das compras em que os pais devem evitar levar para casa alimentos que tenham muita gordura e muito açúcar. Devem estimular os filhos a prepararem lanches e refeições saudáveis para levar para a escola, o clube ou parque. Outro ponto importante é que os pais devem dar o bom exemplo se alimentando de forma correta junto com os filhos, além de estimular a prática de atividade física e limitar a utilização de computador e videogames, combatendo assim o sedentarismo.

 

Há algum tempo alguns profissionais diziam que o azeite aumentava o colesterol bom (HDL-c). Com análise mais detalhada destes estudos percebeu-se que o aumento do HDL-c se deve à prática de atividade física ou a uma genética favorável, e não à alimentação. Como é feita esta parceria de sugestões entre nutricionistas e educadores físicos?

Os nutricionistas devem sempre estimular que os pacientes façam atividade física e, de preferência, sob a supervisão do educador físico. É importante que o enfoque seja multidisciplinar, uma verdadeira parceria, onde o trabalho de um não elimina o do outro, mas representa uma conjugação, pois o educador físico orienta a atividade física e o nutricionista a alimentação saudável. Do ponto de vista nutricional, deve-se valorizar a alimentação como um todo para que esta seja equilibrada e saudável, e, no caso específico dos alimentos que contenham gordura trans, estes devem ser evitados para que o HDL-c não diminua.

 

A dislipidemia engloba alterações que podem ocorrer nos níveis sanguíneos do colesterol total, “colesterol ruim” (LDL-c), “colesterol bom” (HDL-c) e triglicérides. Quais alimentos estão associados a estas alterações?

Para controlar o colesterol total e o LDL-c deve-se evitar a ingestão dos alimentos ricos em colesterol e em gordura saturada. Os alimentos, tais como frutos do mar, miúdos e vísceras (fígado, rim, miolo, moela, coração), frios (presunto, mortadela, salame, …), embutidos (salsichas e linguiças) e gema de ovo são fontes de colesterol. Os queijos gordos (prato, provolone, parmesão, …), leites e substitutos integrais, gorduras visíveis das carnes e pele de aves, chocolate, azeite de dendê e creme de leite, são fontes de gordura saturada, e estão relacionados com o aumento do colesterol no sangue. Os alimentos que contenham a gordura vegetal hidrogenada/trans (bolachas doces recheadas, sorvetes cremosos, croissant, torta de massa “podre” e folhados) deverão ser evitados para não reduzir o HDL-c (o HDL-c quanto mais alto melhor pois tem efeito protetor para o coração). Para evitar o aumento dos triglicérides não se deve exceder em açúcares, doces, bebidas adoçadas com açúcar, refrigerantes e deve-se limitar o uso de bebida alcoólica.

Esses alimentos também fornecem muitas calorias, tanto os que contem gordura como os que tem açúcar, afetando desta forma as calorias totais da dieta. Quando a pessoa consome mais calorias do que o necessário acaba engordando, podendo com isso aumentar o triglicérides e o colesterol. Nesse caso a situação vira uma “bola de neve”.

 

Muitos brasileiros deixam o final de semana para tomar muita cerveja. A bebida alcoólica tem alguma relação com a dislipidemia?

A bebida alcoólica interfere no aumento do nível de triglicérides no sangue, portanto seu consumo deverá ser moderado em qualquer situação. Uma boa opção é a cerveja sem álcool, mas mesmo assim de forma não exagerada, pois também contem calorias.

 

Suco de berinjela reduz o colesterol ruim (LDL-c)?

Não houve comprovação científica de que o suco de berinjela possa reduzir o colesterol.

 

Algumas donas de casa utilizam o mesmo óleo para fritar duas, três vezes. Qual o risco desta atitude?

Quando o mesmo óleo é usado para fritar várias vezes ele terá a sua estrutura química alterada. O óleo pode queimar e atingir o que se chama de ponto de fumaça. Quando isso ocorre é fabricada uma substãncia chamada de acroleína que tem efeito tóxico/prejudicial para o fígado.

 

Qual a informação do rótulo de alimentos o consumidor deve prestar atenção? Como escolher o melhor produto?

O consumidor deverá ficar atento principalmente às quantidades de gordura saturada, gordura trans, colesterol e sódio. Deve-se dar preferência aos produtos industrializados que tenham os menores teores desses elementos.

 

Qual referência você indica para as pessoas aprenderem mais?

· Para obter maiores informações sobre a alimentação saudável, visando a promoção da saúde e a prevenção dos fatores de risco para as doenças cardiovasculares, recomendamos a leitura do livro “Como cuidar de seu coração” escrito por nutricionistas, cardiologista, educador físico, psicólogo, paciente que é ex-participante do curso para leigos do InCor. O depoimento do paciente mostra como ele conseguiu emagrecer quase 40 kg, hoje tem mais saúde e se tornou um maratonista;
· Como mudei meu estilo de vida;
· Como identificar, tratar e prevenir os fatores de risco cardiovasculares;
· Corações e mentes: uma relação tão delicada. Compreendendo e lidando com os aspectos psicológicos das doenças cardíacas;
· Benefícios do exercício físico para o seu coração;
· A alimentação no tratamento de doenças: hipertensão arterial, dislipidemais, diabete melito e obesidade;
· Como deve ser uma alimentação equilibrada;
· Cozinha saudável com exemplos de receitas culinárias e de cardápios.

Obs.: A equipe Nutrição Para Todos agradece a entrevista da nutricionista Adriana Ávila.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

0
Como você avalia este conteúdo?
VN:F [1.9.13_1145]
Rating: 0.0/5 (0 votos)
Avaliação deste conteúdo:

Deixe seu comentário