Alimentação escolar: como elaborar uma “lancheira saudável”

A+ A- Assine a Newsletter Facebook Twitter

Inscreva-se no Canal NUTRItodos

Com as diversas opções de produtos industrializados, as famílias encontram dificuldades para elaborar os lanches das crianças. Para auxiliar a elaborar a “lancheira escolar” de forma saudável, precisamos pensar no hábito alimentar, que é construído a partir também da família.

Refeições são saudáveis quando preparadas com alimentos variados, ou seja, com tipos e quantidades adequadas às fases do curso da vida, compondo pratos coloridos e saborosos que incluem alimentos tanto de origem vegetal como animal. São necessárias pelo menos três refeições diárias, e estas intercaladas com lanches. É prioritário que as práticas alimentares saudáveis resgatem hábitos alimentares regionais inerentes ao consumo de alimentos in natura culturalmente referenciados, produzidos em nível local e de elevado valor nutritivo.

Nas últimas décadas, os brasileiros mudaram o seu padrão alimentar, distanciaram-se dos alimentos e refeições tradicionais, reduzindo o consumo de frutas, legumes, verduras e elevando o de alimentos e bebidas com alto teor de gordura, açúcares e/ou sal. Isso se deve a modificações históricas e culturais nas relações familiares e pessoais da sociedade atual. O crescente consumo de alimentos industrializados, pré-preparados ou prontos respondem a uma demanda de praticidade.

Conforme já publicado outrora aqui no NUTRItodos, para crianças é mais benéfico a alimentação orgânica em função da maior quantidade de nutrientes em relação aos não-orgânicos, ou seja, quanto mais natural e caseiro forem os ingredientes e componentes do lanche enviado a escola, mais saudável ele será! Porém, é importante dizer que nós não nos “alimentamos” de nutrientes, mas de alimentos palpáveis, com cheiro, cor, textura e sabor. Por isso é essencial a criatividade e a participação da criança e familiares na escolha e preparo dos alimentos.

O lanche deve ser composto por alimentos com acessibilidade física e financeira, saboroso, atrativo (colorido), variado, com harmonia entre os grupos alimentares e seguros para consumo (livre de agentes químicos, físicos ou biológicos prejudiciais a saúde).

Em quantidade, a energia necessária para manutenção da saúde e da boa nutrição varia com o sexo, idade, nível de atividade física, estado fisiológico e nutricional do indivíduo. Contudo, pensando em um padrão brasileiro saudável, é recomendado que nos lanches sejam incluídos sempre um tipo de fruta (in natura, secas, desidratadas ou na forma de suco natural), associada a uma porção de leite, ou um de seus derivados, como iogurte, sempre com baixo teor de açúcar e com baixo teor de corantes, conservantes, entre outros aditivos; e também é importante a combinação de um tipo de carboidrato, de preferência integral (pães, biscoitos, cookies, torradas, bolos caseiros simples). É preciso cuidado com o uso de embutidos (presunto, peito de peru, etc), pelo teor de sódio presente nestes alimentos e pela segurança alimentar. Geléias de fruta ou margarina, requeijão light, são melhores opções para acrescentar aos pães.

Obs.: Fabiane Goeldi é Nutricionista (CRN 3 -34090) e colabora da Rede NUTRItodos. Todas as informações acima são para ajudá-los a terem uma maior bagagem crítica sobre alimentação, e não substituem a orientação de seu nutricionista!

 

Mais Reportagens de Fabiane
Cuidados no aproveitamento integral de alimentos

Salada de Soja Verde com Shitake

Você conhece a soja verde?

Nutrientes que combatem a ansiedade

Ginkgo biloba reduz a probabilidade de demência nos idosos?

Feijões: você sabe prepará-los corretamente?

Geladeira: como limpá-la e como melhorar a conservação dos alimentos

Alimento Seguro em Unidades Produtoras de Refeições Comerciais

0
Como você avalia este conteúdo?
VN:F [1.9.13_1145]
Rating: 5.0/5 (2 votos)
Avaliação deste conteúdo:
Alimentação escolar: como elaborar uma “lancheira saudável”, 5.0 out of 5 based on 2 ratings

Deixe seu comentário