Como reclamar de hospitais, filas grandes e mal atendimento no SUS

A+ A- Assine a Newsletter Facebook Twitter

Siga-me no Twitter

No Brasil temos mais de 190 milhões de habitantes, sendo 5565 municípios no último Censo 2010.  Antes de 1970 apenas 7% da população tinha acesso a saúde, hoje estamos praticamente com 100% da população com acesso a saúde. No caso do Sistema Único de Saúde temos 150 milhões de pessoas que dependem diretamente deste sistema. Temos alguns serviços de excelência como tratamento de AIDS/HIV, sistema de transplante e vacinação etc, mas infelizmente outros serviços são muito precários. Diariamente a mídia nos mostra pessoas morrendo nas filas, médicos mal formados, hospitais sem cirurgiões ou falta de leitos em UTI. A lista não pára, entretanto, existe como mostrar ao poder público onde estão os principais buracos do SUS. Este ano o Ministério da Saúde criou um número de fácil memorização (disque 136).  É gratuito tanto para celulares ou telefones fixos, nele você pode reclamar, sugerir ou buscar tratamento desde problemas de dor de cabeça até para parar de fumar. Você pode melhorar sua vida, faça sua parte!

0
Como você avalia este conteúdo?
VN:F [1.9.13_1145]
Rating: 2.3/5 (3 votos)
Avaliação deste conteúdo:
Como reclamar de hospitais, filas grandes e mal atendimento no SUS, 2.3 out of 5 based on 3 ratings

22 comentários para “Como reclamar de hospitais, filas grandes e mal atendimento no SUS”

  1. Luana disse:

    A Santa Casa de Passos não tem um bom atendimento, quando estava perdendo o meu filho, e estava tendo sangramento me disseram que não podiam fazer nada e me fizeram voltar pra casa. Mesmo estando sangrando, eles não fizeram nem ultrassom. Aonde vamos parar com essa saúde pública que está afetando toda a população. Isso nos causa indinação e revolta.

  2. PAULO RODRIGUES disse:

    Em Barra do Piraí existe um lugar que se chama Santa Casa, e está longe de poder ser chamado de hospital é um lugar fúnebre onde as pessoas mais carentes são entregues a própria sorte quase sempre para a morte.
    o atendimento é péssimo, imaginem um ambiente hospitalar onde se troca a roupa de cama duas vezes POR SEMANA, não tem vassoura para se varrer o chão isto é feito com rodo, não recolhem o lixo das enfermarias, NÃO TEM MEDICAMENTOS O QUE É RECEITADO TEM QUE SER COMPRADO PELO PACIENTE E SE O MESMO NÃO TIVER ACOMPANHANTE FICA SEM SER MEDICADO, SE TIVER QUE FAZER ALGUM EXAME TEM QUE PAGAR SE NÃO FICA SEM FAZER. Barra do Piraí pede socorro pois o descaso com a saúde já chegou a um nível absurdo e ninguém faz nada pela população. Quantas pessoas terão que morrer desnecessáriamente até que alguma autoridade faça alguma coisa? Talvez quando um ente querido desta “autoridade” também morrer.

  3. alexander disse:

    Olá Paulo,
    Além do 136 você pode fazer uma denúncia anônima ao ministério público do estado que pertence a Barra do Piraí para mostrar esta situação. Outro ponto, seria levar esta informação para mídia. Faça a diferença e não espere autoridades morrerem, eles provavelmente não irão para este hospital.

  4. claudinea disse:

    em cajuru sp posto de saude perdeu o exame do meu pai pela segunda vez .nao consigo reclamar com ninguem o que faço.pois reclamo reclamo e ninguem faz nada.?

  5. alexander disse:

    Olá Claudinea,

    Existem alguns caminhos o primeiro seria ligar para o 136 informando o ocorrido e pedindo solução. O segundo seria registrar queixa no PROCON.

  6. josiane silva disse:

    fui no hospital da mulher fui mal atendida to com hemorragia faz tres semanas a medica nem me examinou e falou que nao pode me aternder que era so p´gestantes la e que eu estava corada ainda p min marca na ubs e espera . ate eu fica sem sangue eu acho e que se eu ficasse pior ainda eu voltar mas so se eu nao comseguir mais andar por enquento que eu estou em pe nao tem perigo a hemorragia de quase um mes .

  7. Paulo disse:

    Prezado

    É impressionante como somos mal tratados nos hospitais públicos por médicos é outros profissionais da saudê que se acham donos do hospital e acham que estão fazendo favor em atender a gente, julgam as pessoas pela aparência, são pessoas pequenas, que tentam nos inibir quando não nos comportamos de forma pacata dentro da repartição publica.
    São pessoas metidas, já vi rirem da nossa cara.
    O medico bate na mesa e grita com você, e se você falar mais alto é advertido que pode ser preso.
    Não sei se a povo é mais hostilizado pela policia ou pelos médicos.
    Nada justifica tanta estupidez.
    Sera que dos 3 % psicopatas da população boa parte é medico.
    Falta mais amor, os caras formam não pelo o amor a profissão ou ao ser Humano, mais pelo salario e statos que proporciona o titulo de medico.
    Sera que as faculdades não trabalham a educação para com o ser Humano.
    As pessoas simplórias não enxergam isso.
    QUE PAIS É ESSE?

    Saudações

  8. alexander disse:

    Olá Paulo, seu comentário gera uma importante reflexão…acho que não só no hospital sofremos desrespeito, mas em toda nossa
    sociedade…Tomo liberdade de colocar um vídeo muito interessante…http://www.youtube.com/watch?v=nRF0QLYYCe4

  9. denise disse:

    Fui até uma ubam com meu marido ele estava muito mal com muita dor de cabeça e dor no corpo ficamos quase 4 horas esperando para sermos atendidos a medica simplismente estava bem sentada la dentro olhando tv e as enfermeiras todas rindo e fofocando enquanto tinha umas 30 pessoas esperando para ser atendido tinha crianças idosos e eles nem estavam ai ate uma mãe botar a boca no trombone para eles se agilizarem ate quando o povo brasileiro vai ter que viver com essa situação somos gente e precisamos de ajuda .Que adianta vir médicos de fora se os postos não tem nem remédios para dar para os pacientes que vergonha da nossa saude enquanto os estadios de futebol estão sem construidos com materiais de ultima geração e nossos postos sem remedios ate quando isso meu deus.

  10. alexander disse:

    Concordo plenamente com você Denise, isto é um absurdo! Talvez um dos caminhos seja você denunciar para o 136 a situação deste local.

  11. Antonio Felicio Affonso disse:

    Bom dia gostaria de uma orientação, faz dois meses que estou sofrendo com a perda de minha mãe, ela deu entrada com uma AVC no Hospital Regional de Itapetininga, onde foi medicada pelo um médico chamado Rolando, e logo após foi acionado um neurologista, para fazer uma tomografia, onde este outro médico me disse que ela tinha sofrido uma lesão do lado esquerdo e que ele teria que entuba-la e aos poucos iria tirar o medicamento para ela reagir, mas ele precisava de uma vaga na UTI, isso aconteceu dia 09 de agosto e ela ficou internada, sexta, sábado surgiu uma vaga na UTI e ela não foi, no domingo surgiram duas vagas, onde fui conversar com a enfermeira chefe onde tive a seguinte informção: tem duas vagas na UTI, e uma vaga vai fulano e a outra vai outra pessoa, ai fiz a pergunta mais a minha mãe deu entrada sexta feira e o estado dela e grave o médico neurologista falou que ela precisa de uma vaga urgente na UTI, e ela me respondeu que quem determina para o paciente ir para a UTI é o médico da emergência e so vai na uti, quem e mais novo e esta reagindo, como sua mãe é mais velha e não esta reagindo ela não vai.Que absurdo, não falam tanto da lei dos idosos, cade o amor, a compaixão.Ai quando foi dia doze fui de manhã e quando estava entrando no hospital, deparei com a assistente social questionando o enfermeiro, com que cara vou olhar para a familia da dona Ines se não mandaram para UTI, sendo que tinha duas vagas,nisso eu estava atrás do enfermeiro e ele falou o seguinte batendo no ombro da assistente social, não esquenta. Eu estando atras dele, e como ele não sabia que eu era filho, falei não esquenta porque não é a sua mãe e sim a minha, pq se fosse a sua o tratamento seria diferente, nisso assistente social começou a chorar, dizendo que isso não estava acontecendo lá,nesse momento o enfermeiro perdeu o chão e tentou justificar de todas as formas, qdo deparei com o neurologista de minha mãe e ele me falou que o estado da minha mãe era grave e ela estava estavél, o mesmo a assistente social foi ver minha mãe e falou a mesma coisa.Saindo dali sem chão no que eu tinha ouvido e presenciado, fui tentar falar com a direção do hospital, onde mandaram fazer uma reclamação na ouvidoria, onde fui conversar que eu queria apenas uma vaga na UTI para minha mãe e segundo o Sr Anderson um responsavel pelo setor administrativo do hospital e me falou que iam arrumar uma vaga para ela. Quando foi 14:45 fui novamente no hospital porque as 15:30 era o horário de visita, quando o segurança do hospital mandou eu entrar que o médico estava falando com as minhas irmãs, porque elas tinham questionado e queria uma posição do médico ele tinha chamado elas para conversar, e ele estava falando o seguinte: que minha mãe tinha tido quatro para cardíaca desde as sete da manhã, e eu questionei como? Se eu estive de manhã aqui e o estado dela era estável, segundo o proprio neurologista dela me disse, o dr Rolando virando as costas me disse o que eu tinha para dizer a vcs era isso e virou as costas, como se estivesse fazendo muito para nós filhos.Nesse momento minhas irmãs começaram a chorar e eu com uma outra irmã sentei próximo a sala de raio X, quando deparei com o Sr Anderson do setor administrativo e questionei, quero saber a verdade se minha mãe está viva ou morta, porque nos estavamos aqui ontem e vimos quando uma senhora veio trazer fraldas para o seu irmão e ele tinha morrido e vcs não avisaram.Não deu nem um segundo ele me levou até o leito da minha mãe e me falou sua mãe já faleceu, e eu questionei, pq vi o aparelho funcionando e ele me disse ela ja faleceu e o aparelho vai para sozinho, fui até o Dr Rolando e agradeci pelas duas vagas da UTI, que minha mãe não foi, porque ela era velha e não estava reagindo e pra a UTi so vai quem e novo e esta reagindo, e falei hj foi minha mãe so que amanhã pode ser a sua mãe, so que depois vimos minha mãe tinha falecido as 14:20, e eu estava falando com ele era 14:50e ele estava enrolando todos nós.Que falta de amor, compaixao, solidariedade, para essas pessoas a morte é apenas mais um, porque não fazem parte da familia deles. O que posso fazer, fiz uma reclamação no SUS, e até o momento o hospital não respondeu, sei tambem que muitas reclamações que chegam ate lá são jogadas fora, fiz uma reclamação no CRM, onde estou no aguardo, o que posso fazer? OBRIGADO PELA CONSIDERAÇÃO E ATENÇÃO.

  12. alexander disse:

    Em primeiro lugar Antônio, meus sentimentos em relação a sua mãe. Acredito que seguiu dois importantes caminhos, o CRM e reclamação no SUS. Outro ponto, interessante seria entrar com ação na justiça, pela situação causada. Eu sei que tal gesto não trará sua mãe de volta, mas poderão punir os responsáveis monetariamente além de coibir novas situações como esta. A Defensoria Pública e OAB podem ter auxiliar na questão de atendimento jurídico gratuito, se for de seu interesse.

  13. Nataly disse:

    Como cidadã.gostaria de deixar aqui registrada minha indignação com a arrogância e falta de educação a qual fui tratada neste hospital (Santa Casa de Misericordia de Passos).Gostaria de deixar minha nota ZERO para a funcionária a qual não consigo chamar de profissional a enfermeira padrão Fernanda.Espero que o hospital que sempre fala em humanização prepare melhor seu funcionários para lidar com pessoas que já estão abaladas emocionalmente para ainda ter que enfrentar falta de respeito.Educação e uma boa comunicação cabe em qualquer lugar e nem vou dizer que ela deveria lidar com animais porque eles também merecem respeito.Apesar de estar muito triste e abalada com a grave situação que venho enfrentando quis deixar aqui meu recado para que outras pessoas não venham passar pelo mesmo.

  14. FELICIO disse:

    Boa tarde , gostaria de uma informação referente as demandas do SUS, já fiz duas na Ouvidoria da Secretaria Municipal de Saúde de Itapetininga/SP, e por várias vezes estou indo pessoalmente cobrar resposta, e não a tenho,dizem que não tem como eles cobrarem a resposta da demanda ao hospital, a primeira reclamação foi em agosto/13, e a segunda com o mesmo teor out/13, onde posso reclamar, pois achava que procurando a ouvidoria do Sus teria uma resposta pelo menos digna, pelo tratamento demonstrado a minha mãe.

  15. alexander disse:

    Olá Felicio

    Sugiro dois caminhos ligue para 136 e informe os protocolos do ocorrido e outro e pelo próprio PROCON.

  16. Claudete Alencar disse:

    Bom dia , vivi um dos piores momentos da minha vida ontem. Precisei de socorro emergencial para o meu filho. Ele estava brincando em casa de bola e ao invés de chutar a abola chutou o chão. Resultado abriu a sola do pe. Corri para o pronto socorro mais próximo de casa pois o sangue jorrava como torneira aberta . Amarrei uma toalha para estancar o sangue . Chegando ao UPA São João em Guarulhos , entrei na emergência e a enfermeira não me deixou entrar , pediu para mim dar a volta com o meu filho e entrar pelo pronto atendimento.Mesmo com o pé sangrando fui com o meu filho, o carro que me levou ja havia ido embora e ele tem 1 anos não consegui carrega-lo. Chegando lá a moça não quis atender sem antes fazer a ficha. Fiz a ficha e cobrei atendimento. A aux foi buscar a ficha e mandou aguardarmos assim o fizemos. Meu filho tinha perdido muito sangue não sei como estava em pé , a aux achou que eu estava incomodando eu começei a cobrar atendimento. mandou eu esperar que já ia atender, passamos para a outra sala aonde a enfermeira avalia a emergência . Pedi para ela atender logo porque realmente era uma emergência , ela disse que eu tinha que esperar , entrei na sala dela , mandou eu sair . Eu estava muito nervosa e disse que não ia sair , chamaram a segurança. A senhora que estava na minha frente disse que cedia o lugar para mim , a enfermeira não aceitou , disse que quem mandava ali era ela e que meu filho tinha que esperar. saímos , voltei nervosa gritando por atendimento e as pessoas riam de mim porque diziam que meu filho não tinha nada . Enfim ela fez a triagem e me mandou esperar la fora. Meu filho Gabryel desmaiou , aí me atenderam , chegaram os enfermeiros e correram para atende-lo , eu eu gritava desesperada eu não disse que era uma emergência ? Minha vontade era quebrar , bater , mas não fiz isso , não falei palavrões porque não tenho esse costume , mas gritei muito naquele lugar , chamaram a policia para mim e eu fui até os policias e disse a eles que eles cuidavam do patrimônio publico , mas o meu problema seria a secretária da saúde que ia resolver . Eles não me questionaram , não falaram nada . a segurança do PA também não me fizeram nenhum mal. os médicos atenderam meu filho que levou vinte pontos na sola do pé , e atenderam bem . Minha reclamação e com as enfermeiras que estavam de plantão na triagem . Não sabem avaliar a emergência , meu filho desmaiou pq perdeu muito sangue . Quem pode resolver isso ? essas moças que tenho o nome precisam ser recicladas para avaliarem corretamente uma situação de risco . Conforme falei a policia militar meu problema é a secretaria da saúde que resolve. Mas eu gostaria de saber como fazer isso. Como tornar publico a minha insatisfação como mãe que precisou de atendimento emergencial e não tive credito em meu pedido de socorro? Estou inconformada . Preciso de orientação. Meu filho agora está bem , mas se ele não tivesse desmaiado? quando ele iria ser socorrido? Obrigada , aguardo uma resposta

  17. Claudete Alencar disse:

    obeservação e corrigindo meu filho tem 12 anos

  18. alexander disse:

    Olá Claudete, nossa página não tem a intenção de substituir o Estado, apenas de trazer informações importantes sobre como denunciar problemas como o seu. Assim, sugerimos que ligue para 136 para registrar sua denúncia. Desejamos que seu filho esteja bem e obrigado por compartilhar sua história.

  19. idalina vimercate disse:

    Estou revoltada hoje eu estive no Rio Imagem para marcar uns exames, apesar de várias ligações em vão não consegui nem por telefone e nem pessoalmente pós me disseram que eu teria que passar pela clinica da família perto da minha casa, sendo que São João de Meriti esta abandonado Ha anos, o prefeito Sandro Matos não ta nem ai para o povo, e eu que confiei que ele ia fazer algo de bom para o povo, ao contrario tudo de mal ele esta nós fazendo. não temos nada que nós beneficie, as ruas todas emburacadas cheia de carros velhos. O hospital Pedro Ernesto em Vila Isabel também esta um caus, eu me trato la também fui la marcar consulta e não aceitaram os encaminhamento que eles mesmo me pediam, os médicos de lá me disseram que estão proibidos de darem encaminhamento para os pacientes . ou seja passei o dia todo tentando más não consegui nada, estou revoltada,é muitos funcionários ganhando o meu dinheiro o dinheiro do povo para ficarem batendo papo entre si e fumando, são pessoas totalmente despreparadas para lidar com os pacientes, não conhecem nem o próprio setor que trabalham, informação não sei, acho que ali ou aquilo. socorro, socorro por favor preparem os funcionários publico para lidar com os pacientes, que eles saibam trabalharem com o ser humano.

  20. Tamara disse:

    Hoje as 12:00 fui com meu marido ao UPA, porque ele fez um exame as 00:30, pois estava com suspeita de dengue e fomos pegar o resultado, chegando lá pediram para abrir ficha novamente, quando fui abrir a ficha informei a recepcionista que ele estava com febre alta desde ontem então ela me orientou a falar com a auxiliar de enfermagem Claudia assim que abordei a Auxiliar de enfermagem ela foi grossa com as palavras, me disse que não podia medir a febre pois ele teria que aguardar a vez tinha mais ou menos umas 40 pessoas na frete, insisti mais um pouco então a aux. Claudia com toda arrogância falou para eu falar com a enfermeira Jessica se ela autorizava medir a febre. Pedi para enfermeira a autorização para medir a febre ela disse para esperar do lado de fora não respondeu se autorizava ou não. Ok fomos para fora da sala, daqui a pouco continuando com arrogância a auxiliar Claudia vem gritando comigo ” _ QUEM É O PACIENTE QUE QUER MEDIR A FEBRE???” .fiquei indignada com o tom da voz dela parecia ate que não queria fazer aquilo, ai meu marido respondeu ” _ se eu estou abraçado com ela é claro que sou eu”. a aux. devolvendo a resposta ” ,”_ Na sua testa não esta escrito que você é marido dela e que quer medir a febre, agora não vou mais medir sua febre espera a sua vez.” eu falei que ela ia medir sim que ele não estava bem falando tudo enrolado devido a febre, então a enfermeira Jessica apareceu e falou um monte para mim e meu marido como se nos que estivesse maltratando ela sendo que estava apenas nos defendendo eu disse para ela que a aux. estava sendo arrogante desde a primeira conversa que eu só queria medir a febre nada a mais. A enfermeira Jessica disse para a aux. Claudia medir, mas completou me dizendo assim: “_ Se você quer ser bem tratada pague um convenio porque aqui no SUS o tratamento é esse.” isso não é coisa que uma enfermeira chefe diz aos pacientes. Enfim mediram a febre dele estava 39.9 e a pressão 14/10. mesmo assim continuaram maltratando ele. Isso não pode acontecer pagamos impostos não é porque ele não tem convenio que tem que ser maltratado essa teoria da Enfermeira Jessica esta errada elas tem que rever.

  21. Tamara disse:

    Esqueci de relatar no meu comentário o endereço do UPA: Est. Guarulhos-Nazaré,4130- cidade Soberana – Guarulhos-SP . CEP 07175-560.

  22. Robson disse:

    Fui no hospital Santa Terezinha em são João de Meriti e é uma bosta médica de Plantão petulante arrogante e totalmente despreparada e nao tinha competência nem para passar uma medicação o enfermeiro que sugeriu pois ela alegava que tinha que esperar a ficha aparecer no computador dela.

Deixe seu comentário