Presidente Lula respondeu ao nutricionista

A+ A- Assine a Newsletter Facebook Twitter

Siga-me no Twitter

Em maio de 2010, encontrei um canal de comunicação via web para realizar pergunta ao então presidente da república. Ele possuía uma coluna semanal, na qual, respondia diversas perguntas dos cidadãos. Você verá na íntegra a pergunta e resposta realizada, e poderá confirmar a existência da mesma em diversos jornais on-line da internet. Nesse caso, referenciamos o Jornal Tribuna Popular, como poderá verificar na própria fonte citada. Friso que o presidente Lula respondeu parte da pergunta, pois tanto ele quanto FHC não utilizam a propaganda da TV aberta (paga)  para valorizar a importância da alimentação saudável. Esse é um dever constitucional (artigo 6º) e também presente em diversos outros dispositivos legais. Será que a Dilma irá realizar propagandas sobre alimetação saudável na TV aberta (paga)? O Governo Federral tem 6 bilhões de reais anuais para publicidade. Esse continua veiculando propagandas dos “feitos governamentais”, da Petrobras, Banco do Brasil etc. Com 1% desse valor será possível veicular 6 inserções semanais durante 1 ano.

Alexander Marcellus, 31 anos, nutricionista de São Paulo (SP) – O Fome Zero é elogiado mundialmente. Entretanto, sabe-se que para combater a insegurança alimentar é importante o consumo diário de frutas, verduras e legumes. Por que o governo nunca fez propagandas desses alimentos, mas faz de empresas federais?

Presidente Lula – Começando com a propaganda, a primeira etapa da campanha “Brasil que Dá Gosto”, incentivou o consumo de feijão com arroz, alimentos que na proporção adequada são uma fonte completa de proteínas. Separadamente, o feijão fornece proteínas e fibras, além de ser rico em ferro, cálcio e outros minerais; o arroz é fonte de várias vitaminas do complexo B e de carboidratos, que fornecem energia. Foram elaborados cartazes, folhetos, jingle, filme publicitário, rádio-novelas veiculadas em rádios comunitárias e três filmes – os atores e atrizes não cobraram cachê –, promovendo a educação alimentar do telespectador. O tema da segunda etapa da campanha, prevista para este ano, será “Incentivo ao Consumo de Frutas e Hortaliças”. E não ficamos apenas na propaganda. Em 2008, fechamos acordo com a indústria alimentícia para zerar o teor de gordura trans em seus produtos e, este ano, estamos negociando a redução de sódio e açúcar nos alimentos processados. O programa Saúde da Família conta agora com 746 nutricionistas para a educação alimentar da população assistida. São várias iniciativas nesta área, a tal ponto que na semana passada a ONU me concedeu o prêmio “Campeão do Mundo na Batalha Contra a Fome”, que eu divido com todo o Brasil.

Coluna Semanal do Presidente Lula (18.05.2010)

Obs.: Deixe seu comentário!

Fonte: Jornal Tribuna Popular

0
Como você avalia este conteúdo?
VN:F [1.9.13_1145]
Rating: 0.0/5 (0 votos)
Avaliação deste conteúdo:

4 comentários para “Presidente Lula respondeu ao nutricionista”

  1. Andre Bressan disse:

    6 bilhões em caixa e fazem campanhas com atores que não cobram pelo cachê… êta mundinho.

    De qualquer forma, certamente não foi o presidente Lula que respondeu… não acredito que ele tenha a menor idéia da composição alimentar do feijão… nem mesmo do que seja complexo B.

    Mas o canal de comunicação é interessante. Deveria se chamar Coluna da Equipe do Presidente Lula…

  2. Maria Aparecida R de Miranda disse:

    Parabéns pela iniciativa. Compartilho com vcs minha alegria e meu testemunho sobre o empenho do Governo Lula para a mudança nos hábitos alimnetares dos brasileiros. Sou gestora pública de segurança alimentar e nutricional em Contagem-MG. Neste município estruturamos a política municipal de segurança alimentar e nutricional com o incentivo institucional do Governo. Desenvolvemos Cozinhas Comunitárias, voltadas ao fornecimento de alimentação nutritiva e baixo custo, Banco de Alimentos, voltado ao combate ao desperdício e ao atendimento da rede de proteção social, Agricultura Urbana, voltada ao incentivo ao cultivo e consumo de alimentos livres de agroquímicos, Agricultura Familiar e educação alimentar. Todas essas inicitivas contam com a colaboração incondicional do Governo Federal e decisão política da Prefeita. Instituimos um Lei Municipal e um Fundo específico para o tema.

  3. Carolina disse:

    E a negociação para redução de sódio e açúcar nos alimentos processados já foi finalizada?

  4. alexander disse:

    Que eu saiba ainda continuam negociando!

Deixe seu comentário